[Técnico] Como vai sua assistência técnica?

A falta de assistência técnica para equipamentos de informática (desktop, notebook, netbook, ultrabook, tablets, impressoras, máquinas digitais) é o alvo da Secretaria de Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça.

A dificuldade para consertar aparelhos com defeitos gera queixas sobretudo nas regiões Norte e Nordeste.

Empresas como HP, Sony, Positivo, LG e Samsumg venderam mais dispositivos que as respectivas capacidades de fornecer suporte técnico via call center ou em domicílio.

Vou estar atendendo, para estar transferindo, para estar caindo a ligação…” foi a frase mais ouvida em dezembro de 2015 nos call centers terceirizados.

Com notebooks de qualidade duvidosa e sendo vendidos por R$ 799 (12 x R$ 79,99), “[…] vai estar faltando técnicos suficientes para tanta demanda de suporte técnico em domicílio”.

Esta entrada foi publicada em consomeDOR, Doutor Computador. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para [Técnico] Como vai sua assistência técnica?

  1. Dalva disse:

    Bom dia Luiz Henrique,
    Estou com problemas com meu notebook DELL, como vírus e outras “coisitas” mais. Necessito de um técnico para resolver estes entraves. Minha filha te conhece do TCU (ela era estagiária de um escritório) e indicou-me o seu nome. Você pode me atender ou indicar alguém para resolver esses problemas?
    Aguardo a sua resposta.

  2. Trabalho com manutenção de computadores e redes há 12 anos aproximadamente e em novembro de 2012 fiz um curso de manutenção de notebook em uma conceituada empresa da área e durante o curso o instrutor falou das dificuldades que eles tinham em relação á suporte, peças de reposição e o próprio serviço (MO). Na ocasião ele nos contou que a empresa era uma autorizada S. e mesmo assim eles não podiam nem abrir o notebook e tinham quem enviar para o fabricante e lá permanecia por vários meses e eles tinham que aguentar as reclamações dos clientes que entravam ações contra a loja e depois o juiz informava que deviam mover a ação contra o fabricante e não contraa loja. Um certo dia, um representante da loja F. foi verificar com o fabricante o motivo dos atrasos em retornar os equipamentos e chegando lá encontrou outros proprietários de lojas com o mesmo problema, foi quando um deles pediu para ir ao banheiro e um funcionário pediu que ele usasse um banheiro dos fundos pois o destinados a clientes estava em reforma, e chegando no banheiro dos fundos ele viu um salão com várias máquinas empilhadas e entre eles ele identificou as 16 máquinas que ele havia enviado pois tinha a marca de sua empresa. Depois disso a loja F. cancelou o contrato de serviços com a S., pois além de tudo o que eles pagavam era muito pouco. Depois de comprar equipamentos e fazer o curso e ter gasto R$ 3.000,00 com tudo isso, falta de peças de reposição (estou há 3 meses com um notebook, não consigo peças de reposição nem em lojas e nem no ML), a dificuldade de realizar alguns serviços (Solda bga) aliada ao risco de comprometer ou queimar a placa mãe ou outro componente e não conseguir outra para reposição (sem falar do prejuízo financeiro e a possibilidade de ficar mal visto como profissional).
    Na minha opinião, acredito que o mais viável seria a manutenção preventiva e algumas corretivas mais simples como troca de disco rígido, memórias, telas de LCD ou Led, teclados, cooler, troca da pasta térmica entre outras que não envolvam solda ou reflow, que são procedimento que trabalham com temperatura altas sobre a placa mãe (de 300 á 500 ºC) e que por lei devemos dar garantia de 90 dias. Houve um caso com um amigo dono de uma loja, onde o cliente levou o Note para o conserto e foi feito o cadastro do cliente e o orçamento, depois do orçamento aprovado pelo cliente onde estava detalhado o problema foi realizado o serviço, em menos de 2 meses o cliente retornou com o mesmo notebook e queria o concerto do note e disse que estava dentro do prazo de validade da garantia, foi explicado ao cliente que não era o mesmo problema e como se trata de outro defeito ele teria que pagar pelo serviço. O cliente alegou que iria acionar a empresa pois depois que eles abriram o equipamento, este nunca mais ficou como era antes e foi a partir daí que começaram a surgir outros problemas.
    No final a empresa concertou o equipamento novamente, de graça, e não faz mais este tipo de assistência. Foi aí que eu lembrei de uma matéria postada neste blog pelo professor Quemel “Como reduzir riscos de conflitos com clientes de serviços técnicos de informática.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *