Quanto cobrar versus como cobrar

É a questão que suscita a maioria das dúvidas que respondo nos principais foruns de informática no Brasil.

– Quanto cobrar?

Na maioria das vezes os técnicos autônomos trabalham de graça, alguns até pagam para isso.

O quantum é questão de formula pronta, receita de bolo ainda que queimado. É quando o palpiteiro profissional diz: “[…] cobre $10 ou $100.

Vem o primeiro tombo: “[…] está caro…”. Sem sequer estabelecer qual é o serviço, objeto da dúvida.

Caro e barato para quem, cara-pálida?

Mesmo com a esfarrapada desculpa que faz o serviço apenas por hobby. E ai fica a dúvida: seria um robe de dormir ou uma atividade apenas por prazer?

Airton Senna só corria por hobby, mas pagavam a ele US$ 1 milhão por mês e ainda lhe davam um carro que dava no “couro” em seus concorrentes.

Além da técnica, tinha o talento construido e aprimorado, ou Seninha já teria nascido com um volante nas mãos?

Portanto, a questão é de método & metodologia. Saber cobrar não só é arte, mas uma ciência. Se pode ser sistematizada como um conjunto de teorias, pode ser apr(e)endida no plano no pensamento e aplicada ao mundo real.

E você, saber cobrar honorários justos na prestação de serviços profissionais?

Escolha as opções:

( ) Pago para trabalhar. O cliente alega que tem técnico que cobrar barato.

( ) Trabalho de graça. O cliente insiste num preço baixo

( ) Sei como, quando e quanto cobrar. O cliente fica feliz quando assina o cheque.

Esta entrada foi publicada em Doutor Computador. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

17 respostas para Quanto cobrar versus como cobrar

  1. Na minha opnião o técnico deve aprender Como calcular o custo da sua Hora Técnica, e para se destacar no mercado ele deve procurar um diferencial, ou seja, deve oferecer ao seu cliente algo que a concorrência ainda não ofereça. Se você fizer um preço muito baixo para garantir o serviço, seria como dar um tiro no próprio pé. Você montou uma estrutura para prestação de serviços com a qual você gastou tempo e dinheiro com cursos, revistas, livros, palestras, feiras e eventos, fóruns, equipamentos, ferramentas, além de gastos com Internet, Luz, energia elétrica entre outros e que para manter toda essa estrutura você tem um custo que deve ser incluso na planilha de formação de preço. Um fator que estou tendo muita dificuldade, é o Tempo, como é dificil administrá-lo.

  2. Caro Cleber Campos,

    “[…] Quando apresentar um orçamento calcule também todos os riscos envolvidos nessa operação. Não há vergonha alguma em dizer que você não consertar Pentium 100 com 64 MB de RAM e 4 GB de disco rígido. Pecado é pegar a máquina e depois descobrir que você não soube diferenciar um micro de um “mico”.

    Veja mais em:

    Redução de conflitos na prestação de serviços

    bração,

    Quemel.

  3. Vicente Reis disse:

    Senhores,

    O ideal é sempre verificar com o cliente o tipo de serviço que deseja em seu equipamento, depois recomendo sempre fazer um orçamento preliminar, onde deve constar inclusive o custo da mão de obra, evitando-se desta forma, algum problema futuro, na hora da cobrança final.

    Sempre tenha em mão uma tabela dos custos básicos.

    Bom trabalho e muito suce$$o para todos.

  4. Caro Quemel,

    Percebi que o link “Redução de conflitos na prestação de serviços” não está funcionando, seria interessante você arrumar para que os leitores possam ler o artigo.

    Vou fazer o possível para tentar explicar sobre a maneira do profissional de informática cobrar por seus serviços. O assunto é muito extenso, seriam necessários muitos detalhes para serem explanados, mas vamos lá.

    Antes de “colocar a mão na massa” três coisas devem ser definidas: Público-alvo do serviço, utilidade a que o equipamento será destinado, bem como a eliminação de conflitos no uso deste pelo cliente-usuário-consumidor, e por último avaliar se o objetivo de satisfação do cliente com o serviço prestado foi alcançado (em caso negativo, será preciso rever todos os processos para encontrar o ponto em que ouve a falha e corrigí-la para que não ocorra novamente).

    Abaixo, algumas coisas que considero imprescindíveis para qualquer profissional, independente da área em que atue, são elas:

    -Definição de valores de cobrança e forma de pagamento
    Todo profissional deveria saber quanto custa sua hora técnica, mas infelizmente a maioria cobra pelo “achômetro”, que nada mais é do que ele pensa que o serviço dele vale, e não quanto realmente custa. Para os que quiserem se aprofundar mais no assunto, existem cursos excelentes no Sebrae sobre como calcular custos e preço de venda, recomendo a todos que façam. Aqui mesmo no curso CDInfo teremos a oportunidade de também aprender como calcular esses valores. Todos os valores que serão futuramente cobrados devem ser transparentes ao cliente, pois caso este não concorde com os valores nem chega-se a conflitos gerados após a execução dos serviços, já que a relação comercial nem chegará a ser consumada.

    -Planejamento e definição dos termos de garantia
    Nesta etapa o profissional analisa o perfil do cliente, interroga sobre suas expectativas e o que será necessário para realizá-las. Aqui será repassado ao cliente os prazos e itens abrangidos pela garantia, e as respectivas cláusulas. Será discutido com o cliente também sobre os recursos da competência de outros profissionais, caso seus serviços sejam necessários, como contratação de eletricista, marceneiro, decorador, entre outros. Aqui também serão definidos os componentes envolvidos no trabalho (no nosso caso os softwares, e eventualmente hardware e periféricos). As informações passadas pelo cliente devem ser escritas manualmente pelo consultor em uma folha de Planejamento e Instalação de Sistema Informatizado, que digitará essas informações em um relatório padrão e levará ao cliente para que este verifique se as informações estão de acordo, e assine 2 cópias desse relatório, ficando uma com ele próprio e outra com o consultor. Essa fase é crucial, pois aqui podemos perceber as reais intenções do cliente, e se ele “torcer o nariz” quando você falar que ele terá que fornecer os softwares originais tente convencê-lo das vantagens e da questão legal, caso contrário, fuja dele.

    -Definição de metas
    Nesta etapa, após o profissional saber das necessidades do cliente e dos valores que o cliente está disposto a pagar pelo trabalho, avalia o tempo necessário para concluir o serviço, bem como levar em conta fatores externos que possam prejudicar seu desempenho. Aqui também o consultor escreve TODAS as tarefas detalhadamente, e os possíveis obstáculos que possam atrasar a execução das etapas do serviço.

    -Execução das tarefas pré-estabelecidas
    Após uma breve reavalização das metas a serem cumpridas, e obviamente com a documentação assinada pelo cliente, o profissional parte para execução do trabalho. Nesta etapa, caso o cliente exija algo que não estiver incluso na etapa de planejamento e possa comprometer o tempo total de execução do serviço, o profissional poderá cobrar um valor à parte pelo item a ser incluído, e em caso de não acordo a relação comercial termina aqui. Em casos distintos, o profissional poderá exigir determinada quantia para iniciar o serviço, já que clientes problemáticos poderiam dar-lhe o golpe após o serviço estar terminado, e o profissional estaria resguardado de pelo menos não tomar prejuízo na relação comercial.

    -Check-list de verificação das atividades executadas e aprovação do cliente
    Ao término da execução do(s) serviço(s), o profissional compara o resultado previsto com o resultado realizado, ainda procurando por eventuais falhas. Em caso do resultado estar como o planejado, o profissional entrega o recibo com os serviços executados e pede para o cliente assinar.

    Eventualmente podem ocorrer imprevistos, mas o profissional deve dominar seu tempo para otimizá-lo ao máximo, já que tempo é algo de que não dispomos muito atualmente.

    Espero que o meu modelo de trabalho ajude os colegas. Caso tenham alguma dúvida, fiquem à vontade para perguntar, ficarei imensamente feliz em poder ajudar.

    Desde já, peço desculpas por algum eventual erro de Português que eu venha a cometer, já que estou envolvido em várias tarefas paralelamente, e esses erros podem vir a acontecer.

    $orte e $ucesso.

    Claudio R. E. Boaventura

  5. Caro Thiago, salve!

    quanto você cobra?

    Bb$,
    Q

  6. ( ) Pago para trabalhar. O cliente alega que tem técnico que cobrar barato.

    e qndo aconteçe esse tipo de situação oque q eu devo fazer? baixar o preço?? ou fz como minha namorada diz e eu faço ” mais barato que isso naum dá”
    ?????
    obrigado

  7. Cleber Campos disse:

    Quemel, se vc achou que trabalhar com 128 MB é dureza…

    Um dia desses, fui chamado pra fazer manutenção num p-200 com 16MB de ram, que não tinha CD-ROM e o drive 3 1/2 e o modem discado estavam estragados.
    O windows 98 não dava boot, e a dona tava com saudade de jogar paciência…

    Desisti de tirar lucro da manutenção, por conta das condições não muito favoráveis da cliente, e da máquina em si, que vale menos da metade do que deveria ser cobrado por um serviço completo. Coloquei meu espírito natalino pra fora, fiz um “pacotão” de peças que tinha sobrando aqui e deixei, na medida do possível, o pc dela tinindo, a um preço simbólico de R$ 30, pra custear a gasolina.

    Pra mim, foi a situação mais saia-justa que já enfrentei arrumando PCs. E isso trouxe uma dúvida que me inquieta: seria correto dizer um NÃO a um caso tão particular como esse, em que tudo está desfavorável, e se negar a atender o cliente?

  8. Caro Jairo,

    todos nos estamos aqui principalmente para aprendermos a valorizar nosso trabalho. Na oficina de formação de Consultores Domésticos em Informática você poderá desenvolver as habilidades empreendedoras de que tanto necessita, pois profissional você é, pois trabalhar com um PC de apenas 128MB é dureza.

    Veja na seção InsTrUTOR as ferramentas que podem aperfeiçoar seu trabalho como técnico em informática.

    bração,

    Quemel

  9. jairo disse:

    Amigos, estou tendo esse problema tenho consciencia de que faço e ainda estoupagando um curso de bacharelado muito caro ( Ciência da computacao), e mesmo assim nao consigo cobrar pelos meus serviços e quando cobro me enrolam, e isso estar me fazendo ficar mal. mais estou nesse momento mudando a minha postura pois me preocupo com a qualidade de serviços e sei que profissionais como eu nao pode fazer servicço de graca. fiz hj um serviço para uma cliente amigo de um amigo meu, deixei a mauqina dele funcionando, pois tive trocar placa de rede, formatar a maquina e e instalar tudo e ainda assim esse cara ficou meolhando com cara de quem pedi 50,00 estava caro e sei que fiz barato. pois levei 6 horas para fazer isso ,ja que a maquina dele tinha 128mg de memoria
    lento demais.

  10. Caro Orlando,

    a grande virtude dos melhores profissionais é a HUMILDADE.

    bração,

    Quemel

  11. Orlando disse:

    Caro Quemel,

    Colocar o preço em anúncios deveria ser a primeira coisa a ser feita por todos os técnicos e consultores de informática. Não há nada mais desgastante do que ficar negociando o valor do serviço depois que o serviço foi feito. 🙂

    Obrigado pelo elogio, mas não me considero melhor do que você. Aprendi muito com suas matérias, as quais acompanho já há algum tempo.

    Gosto do seu blog pela maneira corajosa com que você trata os assuntos.

    Abração!

    Orlando

  12. Caro Orlando,

    aqui em Brasília desisti de prestar suporte para algumas empresas porque ficava até 45 minutos para consegui uma vaga em estacionamento.

    E só ligava o taxímetro da hora-consultoria apenas quando ficava em frente aos PCs. Aquela conversa de mais 30 minutos com os empresários não era computada.

    Com certeza e até já fiz isso: anunciar em Jornal da Comunidade e no Correio Braziliense e ainda sim neste, coloco o valor da 1ª visita: R$ 160

    É um prazer encontrar profissionais melhores do que eu. Seu site é muito bom, principalmente na parte de SERVIÇOS. Postei um link no Blog.

    bração,

    Quemel

  13. Orlando disse:

    Para cobrar um serviço é preciso antes de mais nada, fazer uma planilha de custo como o do Quemel. Somente para fazer uma visita, caso o cliente não autorize o serviço, creio que deva ser cobrado no mínimo 50 reais fixos, a título de reembolso de despesas.

    Aqui em São Paulo, na região do Itaim, por exemplo, o estacionamento custa entre 10 e 15 reais… mas 15 reais de combustível, desgaste do carro e vemos que mal cobre os gastos. Isto sem falar das 2 ou 3 horas de tempo que foram dedicados a esse cliente. Não é muito difícil perder 2 horas para ir e voltar por causa do trânsito aqui na capital paulista.

    Neste mercado o mais importante é a confiabilidade que o técnico transmite ao cliente e a rapidez com que resolve os problemas. Pagar entre 100 e 200 reais por um servico de 1 a 3 horas é perfeitamente viável para as classes A/B e empresas. Diria que é um valor justo.

    O filtro preço também serve para selecionar a clientela. Quem anunciar no Primeira Mão procura um determinado target de clientes… se a pessoa anunciar na Folha de São Paulo, o público-alvo é outro…

  14. Paulo Conduru disse:

    Acredito que com a questão de cobrar, é um ponto bastante polemico, pois você com o tempo ganham a noção para quem você esta cobrando, dependendo das dificuldades que o serviço vai lhe trazer, independente se é somente instalação de uma memória, ou pl. de vídeo ou coisas que são simples, você tem que ter um preço mínimo, pois caso você ofereça muita cortesia, o cliente desvaloriza o seu serviço e ao mesmo tempo banaliza a profissão por ser coisas simples. Acredito que no caso de uma consultoria o cliente pode ser cobrado, mas caso apos a consultoria o cliente simplesmente comprar as peças ou pede para que você faça a instalação, acredito que a consultoria possa virar apenas uma cortesia, e jamais falar que é de graça, pois será cobrado o seu serviço de acordo com suas instalações, quando é um serviço simples, tipo para colocar peças em geral que não dão tanto trabalho, cobro um preço mínimo (que denominei R$20,00) que seria o mesmo preço de uma visita ou até mesmo uma consultoria rápida. Mas dependendo dos serviços, procuro em jornais locais na parte de classificados para tirar uma media de preço atual de mercado para ter certeza de que estou cobrando barato de mais ou caro de mais..
    Espero que meus comentários ajudem a todos que pensam a montar uma tabela de preço futuramente.

  15. Marcos Santiago disse:

    E o que voces acham daqueles clientes que procuram um técnico para saber quais peças comprar para montagem de um micro e após todos os dados fornecidos acabam comprando e na hora da montagem procuram outros.
    Devemos cobrar e como e quanto cobrar por este tipo de acossoria?

  16. LEONARDO disse:

    O PREÇO CERTO DE UM TÉCNICO SAI DE ACORDO COM A DIFICULDADE DO SERVIÇO E ESTA NA MEDIA DE 65,00 UM SERVIÇO SIMPLES

  17. Luiz do vale disse:

    gostaria de saber o preço que deve ser cobrado sem que o cliente não esteja sendo explorado. Em uma manutenção do computador e instalação de programas e incluindo uma formatação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.