No meio do caminho tinha um livro

analfabeto

No meio do caminho tinha um livro (por uma vida melhor)
tinha um livro (por uma vida melhor) no meio do caminho
tinha um livro (por uma vida melhor)
no meio do caminho tinha um livro (por uma vida melhor).

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha um livro (por uma vida melhor)
tinha um livro (por uma vida melhor) no meio do caminho
no meio do caminho tinha um livro (por uma vida melhor)…

Usaram Paulo Freire, Adoniram Barbosa, Karl Marx, Max Weber, Durkhein, Madre Tereza de Calcutá, Lula, Fernadinho Beira-Mar e até Carlos Magno, O Bagnifico, para justificar o injustificável.

Mas não colou o selo que tentaram grudar. Vai ver que essa ignorância é desejada para “nóis pegar os peixe“. Pelas justificativas apresentadas dos “intelectuais orgânicos” do PPQP (Partido Pra Quem Pode) esse “peiche” está podre.

Recomendo a você, futuro estagiário de TI, que esqueça o preconceito linguístico e use a norma culta. Você não terá uma 2ª chance de causar uma boa 1ª impressão se escrever para o recrutador:

– Como fasso para ser um proficional de sucesso?

Confesso que não tenho cacife intelectual-filosófico-sócio-linguístico-antropológico para embates com os magnânimos-abençoados, mas o ensaísta canadense Alberto Manguel em entrevista a Revista VEJA indicava pistas quanto à ignorância desejada:

Veja – Por que o analfabetismo é crônico em tantas nações, apesar de ser um problema fácil e barato de ser resolvido?

Manguel – Porque ter acesso à palavra escrita significa a possibilidade de dominar um instrumento de poder chamado linguagem formal. É na linguagem formal que estão escritos os códigos, as leis de um país. Manter grande parte da população no analfabetismo é uma das maneiras utilizadas por governantes que querem perpetuar-se no poder, sem sofrer ameaças. Mas existe outro tipo de analfabetismo – aquele definido por São Jerônimo como a “ignorância desejada”, que ele considerava um pecado. [Leia mais]

Esta entrada foi publicada em Leituras & Cia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *