Carta do Quemel ao SENAI-DF

Em 2009 tirei minha licença-capacitação e fui me reciclar no Centro de Tecnologia da Informação (CTI) do SENAI-DF.

Sob a competente batuta do professor Glauco, fiz um curso de 180 horas em Web designer. Era divertido contar com colegas em tenra idade. O mais “velho” tinha 20 anos.

Por problemas de saúde, o professor Adalberto teria que se ausentar por algumas semanas do curso de Montagem e Configuração de Computadores. Falei do meu desejo de retornar à sala de aula como instrutor corporativo, quando o mestre Glauco nos corredores veio ter comigo e eufórico disse-me:

– Quemel, precisamos de um instrutor para o curso à noite. Era terça feira e o pôr do sol começava a dar os primeiros sinais.

Falei com a coordenadora pedagógica Juliana e pedira uma semana para me preparar.

– Prof. Quemel, precisamos que o senhor começe amanhã (4ª feira) na 2ª aula. Só tive o tempo de assistir uma aula com o professor Adalberto na parte da manhã e confesso que tentei sair correndo da sala de aula.

Como eu poderia substituir um professor daquele quilate? Difícil! Pensei com meus botões e pela 1º vez senti que entrará numa grande “roubada”.

O tempo e a dedicação provaram-me o contrário. Ministrei várias turmas, apresentei palestras, seminários e até participei de uma edição do Senai em Família. Restou a saudade.

Na euforia em conseguir a vaga, escrevi uma carta ao SENAI-DF pedido a oportunidade. Não sei se a missiva teve algum impacto na escolha. Cumpri com todas as promessas, mas pelo sim, pelo não, compartilho aqui com os leitores e leitores, a epístola.

Carta de Luiz Henrique Quemel ao Sr. SENAI-DF

Ilustríssimo senhor, mesmo tendo sido desclassificado no certame destinado à seleção de instrutores, e estando afastado das salas de aula corporativas, eu tentarei, sem prejuízo de qualquer outro, explicar-me a Vossa Senhoria, mostrando-vos meus talentos e depois oferecendo-me, se for de vossa vontade, para trabalhar com resultados, em momentos convenientes, em todos aqueles itens que estão em parte brevemente registrados abaixo.

1. Tenho planos para me reciclar e em breve retornar ao exercício da insTrUTORia corporativa.

2. Também tenho planos de ministrar além do curso ao qual pretensiosamente me candidatei, minha oficina de formação de consultores domésticos em informática, cuja oferta ao mercado é feita de forma gratuita desde 2002. Estamos com a 7ª edição em curso por intermédio de Educação a Distância.

3. Também tenho o desejo de transformar técnicos de informática em consultores que saibam administrar suas carreiras profissionais e autônomas.

4. Farei também o possível para que após os cursos tenhamos contribuido para a formação de cidadãos éticos e socialmente responsáveis com capacidade de intervenção no mercado de trabalho.

5. Posso, ainda, se houver necessidade, ministrar palestras, oficinas, seminários e outros eventos, de forma a incentivar a participação nos cursos de tecnologia da informação.

Além disso, num futuro próximo, tenho pretensões de me dedicar integralmente ao exercício de atividades que visem à educação profissional, bem como contribuir para projetos que criem oportunidades de emprego, renda e trabalho.

E se qualquer coisa mencionada anteriormente parecer a qualquer pessoa impossível ou impraticável, ofereço-me prontamente para testá-la em sua instituição, ou em qualquer lugar que agrade a Vossa Senhoria, a quem eu me coloco à disposição com toda humildade possível.

Luiz Henrique Quemel – insTrUTOR [Faça donwload da Carta]

P.S Essa missiva de intenções foi uma cópia descarada da Carta de Leonardo da Vinci ao Conde de Milão, Ludovico Sforza oferecendo-lhe seus serviços de engenheiro militar. [Confira aqui]

Esta entrada foi publicada em Cartas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *