Banha de porco salva vidas

O estado do Mississipi, nos EUA, tem uma tradição de comida gordurosa. A banha de porco está sempre presente na dieta.

Graças a isso, o estado está no primeiro lugar no ranking dos EUA da obesidade, da hipertensão e das doenças cardio-vasculares, e no segundo lugar da diabete.

Se a banha de porco nos EUA mata, em Israel é antídoto contra os kamikazes em tentativas de ataques terroristas.

Não existe um estudo conclusivo, mas desde que as autoridades religiosas judaicas deram sinal verde para uma medida nada ortodoxa de proteção contra os homens-bomba palestinos, foi registrado apenas um ataque do gênero em Israel. Jornais israelenses noticiaram que um rabino havia aprovado a idéia de colocar na entrada dos ônibus, alvos preferenciais dos homens-bomba, sacos plásticos contendo banha de porco.

O estratagema se baseia no sentido religioso das ações dos kamikazes palestinos, que acreditam no acesso direto ao paraíso para os ‘‘mártires’’. Como o porco é considerado impuro pelos muçulmanos — assim como pelos judeus —, especialistas de segurança israelenses apostaram na banha de porco como arma de dissuasão. Homens-bomba poderiam ter medo de serem ‘‘barrados’’ no céu se chegassem manchados de gordura suína.

“‘Não existe nenhum impedimento a utilizar bolsas com banha de porco: a preservação da vida está acima de todos os preceitos religiosos’’, diz a sentença do juiz Eijal Tora, do Tribunal Rabínico de Jerusalém.

Esta entrada foi publicada em Clipping, F.O.C.A.. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.