Deu pau! E agora?

Deu no Correio Braziliense

Manter um computador velho pode ser mais caro que comprar um novo. Na hora de consertar, atenção para não cair em enrascadas. Veja alguns conselhos

Por Tiago Falqueiro

“Tudo corre bem. Como poucos segundos antes, o usuário aperta o botão para ligar e… Nada. Cenas como essa são comuns a quem usa PC todo dia. Num momento, tudo funcionando bem. Na outra, tudo pifado. Segundo a consultoria Techaisle, computadores com mais de três anos costumam custar o preço de um novo só em manutenções feitas durante o ano.

Para empresas, por exemplo, manter um computador velho chega a custar mais de US$ 400 (R$ 785), valor superior ao dos PCs mais baratos do mercado (algo entre R$ 650 e R$ 750). Para chegar ao valor gasto com máquinas problemáticas, a consultoria somou peças e mão de obra, além do tempo em que o equipamento ficou parado.

E aí entra um segundo problema: quando o computador quebra, nem sempre se tem alguém para pedir socorro. É o caso de Edna de Oliveira, de 32 anos. “Eu não entendo muito bem de computador. Aí, quando tem um probleminha, fico doida”, lembra. A solução encontrada por Edna é comum: chamar algum conhecido para resolver a questão”. [Capa] [Pag3]
===============================================================
Comentário do QUEMEL: Mesmo fora do Correio Braziliense continuei como fonte e consultor técnico de algumas matérias. Essa foi uma delas. Em 2009 fazia um curso de Web Design no SENAI-DF quando uma colega de turma (Luciana, personagem da notícia) veio me contar sobre seus problemas. Fizemos uma completa radiografia dos serviços de assistência técnica no DF. Grande parte sem preparo nenhum para tal atividade. Tomei um susto quando a matéria foi publicada e bem na capa o Tiago publicou as Dicas do QUEMEL. Confira-as antes de deixar seu micro e receber de volta um mico!

Esta entrada foi publicada em F.O.C.A.. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para Deu pau! E agora?

  1. Caro Denilson, salve!

    Penso ser perfeitamente saudável a cobrança de orçamento não aprovado.

    É muito comum clientes de má fé pedirem um um orçamento para um técnico, ele apresentar e pegar esse orçamento ser usado para resolver o problema com outro técnico.

    Por isso o orçamento deve conter apenas o “quê” fazer e nunca o “como” fazer.

    Bração e boa $orte,
    Quemel

  2. Denilson Marcos disse:

    Grande Quemel,

    Tem algo importante para se considerar. Em sete anos trabalhando com suporte de informática, a grande maioria dos chamados é para resolver problemas no Sistema Operacional, como vírus, propagandas, remover softwares indesejados (viva o Baidu e o Hal123!) e esclarecer dificuldades dos usuários no uso do equipamento. Sendo assim grande parte dos custos com manutenção é culpa do usuário, não necessariamente por conta do Hardware.

    Com a devida manutenção preventiva e cuidado no uso, acredito que um bom equipamento funcione bem por vários anos, fazendo eventualmente manutenções corretivas. Sendo geralmente o HD o primeiro a apresentar defeitos.

    Aproveito para lhe perguntar, qual sua opinião sobre cobrar pelo diagnóstico caso o orçamento não seja aprovado pelo cliente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *