“Autos de Data” ou autoditada?

“É a pessoa que tem a capacidade de aprender algo sem ter um professor ou mestre lhe ensinando ou ministrando aulas. O próprio indivíduo, com seu esforço particular, intui, busca e pesquisa o material necessário para sua aprendizagem. O termo vem do grego autodídaktos. Que ou quem aprendeu ou aprende por si, sem auxílio de professores”.

A descrição acima faz parte de uma definição do Wikipedia. O título do post foi grafada por um participante de famoso Portal que defende a regulamentação das profissões em informática. Diz o participante:

“Sou a favor da regulamentação dos profissionais de informática. Com isto eliminamos os autos de data da informática e suas condutas (sic!) anti-profissional”.

Um outro, também a favor escreve: “[…] PARA PROTEJER ESSE CLIENTE É QUE SERVE A REGULAMENTAÇÃO…”

Fico imaginando como se comportaria Leonardo da Vinci, excepcional autodidata, se naquela época houvesse a obrigação de ter a carteirinha do Conselho Federal Federativo Federado de Artistas Auto de Data. O duro é ter que aturar os “proficionais auto de datas”…

Raios, raios duplos, raios triplos…

Esta entrada foi publicada em Escovando bytes. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

14 respostas para “Autos de Data” ou autoditada?

  1. erica disse:

    não sei quem iventol esse nome mais existe pessoas que tem dinheiro e não tem inteligencia e tem pessoas que tem inteligencia e não te,m dinheiro

  2. Marcus Mann disse:

    Alguns indivíduos tem uma facilidade maior para aprender, os mesmos são chamados de CDF ou Gênios.

    Faculdade, curso técnico e etc … É para todos, como também não é errado e muito menos vergonhoso a pessoa ser autodidata. Os seres humanos complicam as coisas com seu egoísmo e modo de pensar.

    Sou autodidata em assuntos na área de TI, tenho um amigo que cursa sistema de informação, o que ele ta aprendendo no 3º semestre , eu aprendi em 1 semana. Lendo livros e vendo alguns vídeos.

    Creio eu que o mercado de trabalho exige que você tenha um nível de escolaridade para exercer aquela função, porque o sistema age dessa forma, mas uma pessoa bem instruída bate e muita gente que já fez faculdade ou está fazendo e acredito eu conheço algumas.

  3. Artur Godoy disse:

    Sou autodidata em inglês, leio, falo e escrevo bem neste idioma.
    Sou analista de automação e apesar de aprender muito com ensino presencial continuo aprendendo muito por conta própria, sou movido pela curiosidade.
    O ensino a distância serve não apenas como fabrica de diplomas ( hoje a maioria das faculdades presenciais se presta a este papel), serve para profissionais como eu, que detêm o conhecimento prático mas não tem tempo para frequentar um curso e precisar comprovar conhecimento através de títulos.
    Conheci gênios sem diploma do primário e tapados graduados pela USP, a capacidade está no indivíduo e não num papel, se o cara for um b0sta sem caráter não vai ser um diploma que vai mudar tudo.

  4. Amilton Candido disse:

    Nossa… Que piada isso daí, hahaha!

    Eu só concordaria caso não fosse obrigatório diploma, apenas uma prova pra saber se o indivíduo entende mesmo do assunto.
    Provando que entende e sabe o que esta fazendo na área, não vejo a necessidade de diploma.

  5. Gileno disse:

    Mano profional lipberado pelo conselho federal como diz vc fez o titanic .E autodidata fez a arca de nóe daee da de vc ver o resultado kkkkkkkkkkkkkk

  6. Caro(a) Sessy Ribeiro, salve!

    “Mim” não entender seu comentário. Você tem problemas de comunicação ou só “querer” mesmo aparecer, cara-palida?

    Seu comentário é a prova de que realmente precisamos “de mais” “autoditadas”. Sem eles o mundo seria menos interessante.

    Bração e boa $orte,
    Quemel

  7. sessy ribeiro disse:

    Eu gostaria de saber qual e a relação entre o espiritismo e o autoditada!!vc ser autodidata e ter algum problema espiritual,!!

  8. Jose Carlos disse:

    Na minha opnião força de vontade é 50% para o aprendizado e certificado de cursos profissionalizante não é sinônimo de conhecimento e nem garante vaga no mercado de trabalho. Não vou generalizar induzindo alguém a procurar estudar por conta própria sem a orientação de profissionais da área, cada um sabe seu limite. Uma escola bem conceituada, principalmente o docente, faz muita diferença tanto na formação do profissional e referência no mercado de trabalho. Fiz alguns cursos no SENAC e foi muito bom para conhecer mais pessoas relacionadas á informática e também “sugar” do docente um pouco de sua experiência e conhecimento e hoje presto serviço para pessoas que já fizeram curso técnico em informática e não conseguem resolver problemas em seu própio computador ou na rede.

  9. rogerio barbosa rocha disse:

    tive un acidente tce traumatismo craniano min tornei auto de data aprendi falar engles fluente sozinho

  10. bruno.barbosa disse:

    Não dá pra se posicionar contra. Quem aprende por conta própria e sabe o que está fazendo e utiliza isso de forma legal e transparente no trabalho, merece aplausos. No entanto, são respostas como a do William que me entristecem. Não sou auto-didata, muita coisa aprendi por causa do meu diploma (necessário na hora dos estágios), então não, meu caro, diploma não serve só pra limpar a bunda, serve pra te posicionar melhor no mercado. Acho que o que o amigo Sergio disse ilustra bem, com ou sem diploma, autodidata ou não, é fato que existem muitos profissionais “nó-cego” por aí, acredito que mais do que os que são bons de verdade.

    O grande problema é que o sistema como um todo força as pessoas na Informática a recorrerem ao que podem, basicamente a junção da fome com a vontade de comer. De um lado, faculdades e cursos de certificação caríssimos; de outro, consultorias buscando profissionais a preço de banana e com dedicação 24/7 ao cliente/empresa final.

  11. mrlouis disse:

    Muitos profissionais no Brasil se fizeram pelo próprio esforço em aprender, muitas vezes por serem de origem humilde e sem condiçõs financeiras para bancar os altos custos da educação nesse país. A falta de oportunidade para se qualificar adequadamente (ou legalmente) faz com que obstinados pelo conhecimento busquem alternativas para o seu aprendizado, se tornando em não raros casos de profissionais dedicados e competentes que dão um banho de ética e competencia, um exemplo para as gerações vindouras.
    Tenho dito.

  12. WILLIAM disse:

    Diploma so serve para limbar a bunda eu nao tenho diploma e no me troco por ninguem sempre ganhei meu dinheiro e sempre vou ganhar.

  13. Sergioef disse:

    Concordo com o amigo Rafaelti Says, pois sou auto de data e apesar de ter apenas a sexta serie primaria e nenhum curso profissionalizante, sou bem conceituado no mercado de Audio com equipamentos analogicos ou digitais e Informatica prestando serviços a duas empresas a mais de 10 anos, hoje operando com windows server 2008 R2 e rede wireless.
    Mais sei que ambos os casos com ou sem diplomas tem muito nó cego no mercado de trabalho, Abraços e sucesso a todos!!!

  14. rafaelti disse:

    Caros colegas,
    se é para regulamentar, então regulamentem tudo no pais, todas as atividades.

    Quem aprende por conta propria não é exatamente um mal profissional, varios registrados no crea são enrrolados, capitalistas etc.

    Ai regulamenta assim:

    Para atuar na area desejada o cidadão precisa ter um diploma que comprove sua qualificação em hardware.

    Ai a microlins, microcamp e outras dizem formar técnicos vão continua ai

    prefiro um auto ditata que um aluno microlins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *