insTrUTOR: Como ministrar aulas para uma empresa?

Caro Quemel, vou ministrar aulas de migração do Windows 2000 e Office 97 para Windows XP e Office 2007, (Outlook 2003), tenho um material todo explicando quais foram as modificações, onde está cada coisa, enfim o material didático esta super explicado e só dar as aulas e tirar possíveis duvidas dos alunos, o problema e que os usuários vão ser diversos, uns vão saber mais outros menos, uns vão querer me testar, etc…queria uma sugestão sua, como ministrar essas aulas, qual a postura que devo ter, o que posso fazer para prender ao máximo a atenção dos usuários, essas coisas, será que pode ajudar? Desde ja agradeço
Roberto Abade, São Paulo

Caro Roberto, não existe uma formula pronta ou receita mágica de como ministrar aulas para uma empresa. No caso de conhecimento específico como sistemas operacionais e suite de aplicativos, o insTrUTOR (consultor) deve ter uma grande vivência no uso dos programas, respondendo com segurança os diversos níveis de dúvidas.

Postura, manejo de sala, interação com os alunos são conseguidos com uma práxis construída ao longo do tempo. Ajuda se o aspirante a insTrUTOR tiver uma formação mínima em Educação e dominar algumas técnicas de ensino.

Para contribuir com seu sucesso, sugiro a leitura do livro Como conduzir seminários e workshops, de Robert Jolles e publicado pela Papirus Editora. O texto cobre: informações básicas, incluindo pesquisa e preparação, questionários, recursos visuais, como manter a atenção e o interesse dos participantes, avaliação e material de apoio. Seguem abaixo algumas indicações de leitura ou estudo retiradas de minha biblioteca particular. Ajudará no esforço para você se tornar um exímio insTrUTOR.

ALVARES, MARIANI e SALES, Ângela Maria, Antônio Carlos e Márcia Barros deInformática para a 3ª Idade, Editora Ciência Moderna, Rio de Janeiro, 2009.

AQUINO, Carlos Tasso Eira de, Como aprender – Andragogia e as habilidades de aprendizagem, Pearson-Prentice Hall, São Paulo, 2008.

BORDENAVE e PEREIRA, Juan Díaz e Adair Martins, Estratégias de Ensino-Aprendizagem, Editora Vozes, 26ª Edição, Petrópolis, 2005.

DEMO, Professor do futuro e reconstrução do conhecimento, Ed. Vozes, 4ª edição, Rio de Janeiro, 2004.

DONADIO, Mário, Treinamento & Desenvolvimento Total – Ensinando as empresas a aprender, Qualitymark Editora, Rio de Janeiro, 1996.

GIL, Antônio Carlos, Didática do Ensino Superior, Ed. Atlas, São Paulo, 2007.

HOLTON III, KNOWLES e SWANSON, Elwood F., Malcolm S. e Richard A., Aprendizagem de resultados – Uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa, Editora Campus, 2ª Edição, Rio Janeiro, 2009.

KACHAR, Vitória, Terceira Idade & Informática – Aprender revelando potencialidades, Cortez Ed., São Paulo, 2003.

LOWMAN, Joseph, Dominando as técnicas de ensino, Editora Atlas, São Paulo, 2004.

MILITÃO, Rose, Histórias & Fábulas aplicadas a treinamento, Qualitymark, São Paulo, 2002.

PARINI, Jay, A arte de ensinar, Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2007.

SEYMOUR, John, Treinando com a PNL – Recursos da programação neurolingüística para administradores, instrutores e comunicadores, Summus Editorial, São Paulo, 1994.

WURMAN, Richard Saul, Ansiedade de Informação – Como transformar informação em compreensão, Cultura Ed. Associados, São Paulo, 1991.

Esta entrada foi publicada em InsTrUTOR. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas para insTrUTOR: Como ministrar aulas para uma empresa?

  1. ripongao disse:

    Tenho algumas sugestões para martins.
    Comente para as crianças que os jogos possuem enredos, são embasados a partir de uma estória, peça-os para escrever a estória de um jogo usando o editor de textos. Peça gravuras/desenhos, se a estória for medieval uma fonte ao estilo gótico cabe ao tema, se for futurística então “código de barras” (uma fonte igual arial, apenas não conseguimos ler, 3of9), pode-se estimulá-los apenas alterando fontes, faça uma charada (partituras musicais são fontes no word), eles não saberão ler e irá instigá-los a fazer o que desejas. Que tal palavras cruzadas, seria interessante, ou quem sabe ainda um texto jogo, igual aos de outrora, como por exemplo, se deseja avançar na caverna do conhecimento vá para a página tal, se deseja ir para a floresta encantada vá para a página tal. Quem não se lembra dos antigos diários das meninas, uma vez ví o da minha irmã mas me decepcionei, existia vários triângulos, círculos, quadrados, corações, estrelas, …, não entendi nada que estava escrito; hoje, mais de 30 anos após sei que uma análise de frequência dos símbolos eu saberia o que estava escrito.
    Os jogos possuem base matemática e aí entram planilhas, quem nunca ficou parado em um canto de determinado cenário para não ser atacado por um monstro e descobriu essa falha no jogo, ou ainda, se o personagem possui vitalidade +5, sorte +3, magia +8 e vai duelar com um monstro que possui outras características, pode-se fazer uma planilha contendo as principais características de determinados objetos “mágicos”, personagens, peça um gráfico para saber quem possui maior poder/magia/vitalidade/…, ou ainda; uma tabela para o campeonato brasileiro, para a coleção de gibis, coleção de bonecas, selos, … . Lembro que quando era criança costumava jogar “super trunfo”, um jogo de cartas, pode-se fazê-los pelo Word, e melhor ainda, pode-se verificar as falhas deste jogo criado pelas crianças através do excel (não pode existir a carta que seja imortal, digo, que todos os itens tenham valor máximo, é necessário uma falha).
    O excel possui “easter egg”, faça-os desvendar.

    O jeito mais fácil de se aprender algo é brincando, se a criança sorrir durante a aula ela está aprendendo.

  2. Caro Martins, salve!

    Para essa faixa etária os aplicativos do Office não representam o interesse dos jovens. A não ser que você utilize o Word/Excel como um fim diferente como melhorar as capacidades de comunicação, principalmente a escrita. No caso do Excel usá-lo como educador financeiro.

    Minha sugestão é que você use a Internet para mostrar os benefícios, mas também como se proteger das ameaças digitais.

    Essa turma faz uso maciço de smartphones e minha sugestão é que você crie um curso para esse dispositivo.

    Bração e boa $orte,
    Quemel

  3. martins disse:

    Quemel

    dou aula de informática básica para vários grupos crianças/adolescentes e adultos. Não sou formada na área de TI tenho dificuldades com alguns conteúdos o que eu posso passar para eles visto que a maioria das crianças não querem aprender word / excel só querem jogar o que eu faço?

  4. Marisa Lima disse:

    Olá tudo bem!
    Eu quero um curso à distância de Instrutor de Informática.Já dei aula de Informática alguns anos para Crianças,Adolescentes e Adultos.Agora estou dando para Terceira Idade. Eu preciso Urgente.
    Livros e Sites etc.
    Aguardo retorno.
    Desde já agradeço.
    Abraço.Marisa Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *