Módulo 4 – Aula 8: Consultor Doméstico® em Informática

e_consultor REFLEXÃO
Segundo dados da ABES, 99% dos softwares instalados em domicílios domésticos são piratas e em micro e pequenas empresas é de 70%.

REAÇÃO
Sabendo desses dados como deve se comportar um Consultor Doméstico® em Informática para minimizar os riscos, mas ao mesmo tempo exercer seu trabalho? Como o Consultor Doméstico® em Informática pode exercer sua profissão do ponto de vista jurídico e tributário. Quais as consequências devidas à imperícias técnicas segundo o novo Código Civil? Vale a pela abrir uma empresa? E ser profissional autônomo?

AÇÃO
Analise os textos e disserte sobre o papel do consultor doméstico como um educador antes de tudo, explanando sobre as sua diferenças ou pontos convergentes com outros profissionais liberais (ex: médico, advogado, engenheiro).

BIBLIOGRAFIA
M04A07T01 – Atividades ilícitas e Certificações (ISO 9002 e SA8000)
M04A07T02 – Como ser um Profissional Autônomo
M04A07T03 – Você quer ser consultor?
M04A07T05 – Consultor gênio

Esta entrada foi publicada em Doutor Computador. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas para Módulo 4 – Aula 8: Consultor Doméstico® em Informática

  1. Caro Cesar, salve!

    Felizmente a desculpa de “altos custos” da legalidade não se sustentam mais. Dá para comprar uma cópia do Windows + Office + Suite de Segurança com uma prestação de no máximo R$ 60.

    A esse termo deve-se acrescentar que o cliente tenha um prazo para legalizar seus softwares, findo este, ele deve optar por continuar na ilegalidade ou continuar como cliente nosso.

    Atualmente possuo 100% dos meus clientes com softwares originais e desde 1994 que iniciei o programa educacional do usuário justamente para atingir essa totalidade.

    Bração e boa $orte,
    Quemel

  2. Cezar Candreva disse:

    Caro Quemel, estou querendo entrar no mercado de manutenção/consultoria de computadores. Sempre tive muita preocupação com a questão de software pirata. É verdade que a grande maioria dos usuários, principalmente os domésticos, não possuem softwares originais, por isso ainda não me aventurei neste mercado. Porém, lendo item M04A07T01 me surgiu uma dúvida. Caso eu solicite uma declaração de “ordem” de uso do “software pirata”, assinada, eu estaria me livrando do risco de estar corroborando esta prática ilegal?
    Sei que é nossa função/obrigação esclarecer o usuário da necessidade de utilização de software original, mas a alegação de altos custos pela legalidade é difícil de derrubar.
    Grato.

  3. A proposta de um consultor domestico é exatamente o de educar. Se a ambição do consultor for ganhar dinheiro e ser único no mercado, ele conseguirá alcançar um número mínino de cliente/consumidores. É preciso estabelecer um vínculo com nosso clientes/consumidores, pois primeiro temos que transmitir qualidades para que este possa acreditar em nosso trabalho.
    Chegar para um cliente que esta com uma impressora no pause e dizer que será necessário formatar o computador, para corrigir um erro no software que esta travando a impressora, não é nada ético.
    Mas se por outro lado, você analisar e enchergar este problema que é comum entre os usuários de pausar a impressora e mostrar para ele que este problema pode ocorrer com a maioria dos usuários de computador e depois ensinar a ele como corrigir aquele problema atual, você começa a ganhar pontos positivos em seu trabalho de consultor. Pois antes de pensar em ganhar, você pensou em doar é isso que esta faltando entre muitos consultores, onde o objetivo principal é ganhar, ganhar e ganhar. E é necssário pensar de forma mais avançada, quero educar meu cliente, transmitir a ele confiança em meu trabalho. Com isso este cliente irá indicá-lo a outro e outros e assim em breve você terá uma grande rede de clientes felizes e satisfeitos com aquilo que você sabe fazer de melhor, educar e trabalhar com transparência e ética profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *